12.11.02

Tenho duas irmãs mais novas, a Vânia e a Patty. Temos uma diferença de 4 e 6 anos. Quando a Vânia nasceu fui eu quem dei o nome dela (provavelmente por causa do comercial das Tecelagens Vânia, juro, afinal tinha 4 anos de idade e já via bastante TV), minha mãe achou lindo, e ficou Vânia. Mas a Vâ sempre foi pequenininha, magrinha, asmática. A gente aprontava todas, e quem apanhava era eu, a explicação era sempre de que ela era muito fragilzinha pra apanhar. E eu morria de ódio claro.

Quando eu tinha uns 8 anos, meu pai trouxe um quadro pra cada uma, de uma viagem pra sei lá onde. Aqueles fofinhos, com mensagem em letra rebuscada. As duas pequenas no sofá, com os quadrinhos e umas canetas coloridas, eu no chão assistindo TV. Imagina o estrago nos quadrinhos. Só eu apanhei, só eu fiquei de castigo. Mas porque? Além do motivo de sempre, havia outro, eu era a mais velha e tinha que tomar conta das duas, tinha falhado, e se fosse alguma coisa mais grave? Ah, como eu quis trocar de lugar com uma delas naquele dia.

Ontem a Vânia teve um ovário retirado, um tumor de 10cm, ela só tem 22 aninhos, ainda é pequenininha, magrinha, fragilzinha e eu só conseguia pensar em como eu queria trocar de lugar com ela naquele momento.

extirpado de my butterfly